Governo Bolsonaro é o novo recordista em trocas de comando no Exército

A confirmação da indicação de Marco Antonio Freire Gomes para o Comando do Exército, em substituição a Paulo Sérgio Nogueira, novo ministro da Defesa, marca um novo recorde do governo Jair Bolsonaro: Freire Gomes será o terceiro chefe da Força em apenas quatro anos, o que não ocorreu nem mesmo na ditadura militar.

A última vez em que houve tanta instabilidade no cargo mais importante do Exército foi na gestão de João Goulart, deposto pelas Forças Armadas em 1964, quando a instituição era comandada pelo ministro da Guerra.

O cenário político de Bolsonaro, contudo, difere da conflagração entre Jango e o Exército nos anos que antecederam o golpe militar.

A nova dança das cadeiras no comando do Exército faz parte de uma acomodação que fortalece o núcleo militar do governo. Paulo Sérgio deixará o cargo para assumir a Defesa no lugar de Walter Braga Netto, que deverá ser indicado como companheiro de chapa do presidente pelo PL.

A troca constante de comandantes virou piada entre militares de hierarquias altas. Em conversas de bastidores, comenta-se jocosamente que o Comando do Exército se assemelha ao das polícias militares, onde a rotatividade é bem mais comum.

A crise de 2021 foi considerada pelos próprios militares a mais grave desde a demissão de Sílvio Frota do Ministério do Exército (equivalente ao Comando do Exército atualmente), durante o governo do ditador Ernesto Geisel, em 1974.

Na ocasião, Frota liderava a chamada “linha-dura” das Forças Armadas e tentava se viabilizar para a eleição presidencial indireta de 1978. A candidatura contrariava a preferência do presidente por João Figueiredo, chefe do Serviço Nacional de Inteligência (SNI), e levou à sua queda.

Geisel também teve três comandantes do Exército ao longo de seu mandato (1974-1978), mas pela força do imponderável: o escolhido, o general-de-exército paulista Vicente de Paula Dale Coutinho, faleceu apenas dois meses após assumir o cargo. Foi substituído por Frota, demitido em 1977 e sucedido por Fernando Bethlem.

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

Romero não disputa a prefeitura de Campina Grande! 10 sinais para essa decisão – Por Gutemberg Cardoso 27 de maio de 2024 Romero não disputa a prefeitura de Campina Grande! 10 sinais para essa decisão - Por Gutemberg Cardoso DESTAQUES: Karla do Conde não apoia mais Mersinho nem Eduardo Carneiro; Sara Cabral fora das eleições 2024; e qual o motivo do silêncio Queiroga e Queiroz 24 de maio de 2024 DESTAQUES: Karla do Conde não apoia mais Mersinho nem Eduardo Carneiro; Sara Cabral fora das eleições 2024; e qual o motivo do silêncio Queiroga e Queiroz Se Lula pedir a vaga de vice de Cícero para o PT, João Azevêdo e o PSB cederiam?: Por Gutemberg Cardoso 23 de maio de 2024 Se Lula pedir a vaga de vice de Cícero para o PT, João Azevêdo e o PSB cederiam?: Por Gutemberg Cardoso DESTAQUES: Se Romero desistir para onde irão os eleitores que são contra Bruno?; Em Bayeux, vice de Taciana pode ser Kita; e Secretário deve ir à ALPB 22 de maio de 2024 DESTAQUES: Se Romero desistir para onde irão os eleitores que são contra Bruno?; Em Bayeux, vice de Taciana pode ser Kita; e Secretário deve ir à ALPB DESTAQUES: PT quer Cartaxo prefeito e Cida vice; Tovar nega candidatura de Romero em junho; e Edinho Silva vai substituir Gleisi Hoffmann 21 de maio de 2024 DESTAQUES: PT quer Cartaxo prefeito e Cida vice; Tovar nega candidatura de Romero em junho; e Edinho Silva vai substituir Gleisi Hoffmann

Está no Hype

Go to Top