Bombando nas redes
Lula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube

Petista melhora desempenho com vídeos, e Bolsonaro mantém liderança no Facebook, aponta levantamento da FGV ECMI

O PT tenta quebrar a hegemonia de Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais e conseguiu superar o adversário em plataformas de vídeos como TikTok e YouTube no último mês.

Com apelo emocional –como o discurso em que Lula diz que quer “garantir que toda criança tenha um café da manhã para tomar”– e vídeos de malhação com a legenda “partiu pós-treino”, o petista ultrapassou o presidente na rede chinesa de microvídeos, o novo pilar das campanhas de internet nesta eleição.

No YouTube, também tem impulsionado vídeos com anúncios, o que tem gerado mais visualizações.

O cenário foi identificado pela FGV ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da FGV), a pedido da Folha, com as métricas de engajamento e alcance dos perfis dos dois candidatos mais bem colocados nas pesquisas.

A análise vai de 28 de julho a 29 de agosto, portanto abarca o começo do período eleitoral e as semanas que o antecederam.

Bolsonaro tem mais seguidores em todas as redes, legado da persona digital trabalhada há anos com o auxílio do filho Carlos Bolsonaro. Esse número não significa, contudo, que seus conteúdos alcancem mais pessoas, como mostram os dados da FGV.

Em engajamento, o presidente lidera no Facebook e no Instagram, com quase o triplo de curtidas, compartilhamentos, comentários e reações na comparação com Lula. No Twitter, ainda que com distância menor, também movimenta mais.

Por outro lado, Lula explodiu no YouTube e no TikTok, sendo que nesta última ele criou o perfil oficial apenas em junho. A campanha designou uma pessoa para cuidar apenas dessa rede. No YouTube, está investindo em publicidade.

A Folha analisou os conteúdos em cada plataforma. O vídeo mais viral do canal de Lula do TikTok foi no período de um comício em Minas Gerais. “Quero ver vocês alegres, quero ver vocês trabalhando, quero ver vocês estudando, quero ver vocês amando, gostando da vida”, diz.

Outras publicações virais tratam da fome e de feitos do governo petista. Em um deles, Lula se apresenta como político do povo e chama para “ver o timão”, para um “forró mais tarde” e pergunta se já ouviram “a última da Lud” [a cantora Ludmilla].

Os conteúdos de Bolsonaro com maior tração exibem ataques à esquerda e à imprensa. No TikTok, apenas seis passam de 2 milhões de visualizações em agosto; três são recortes da entrevista ao Jornal Nacional.

A produção mais popular, com 6 milhões de visualizações, exibe a palavra “mentira” quando a âncora Renata Vasconcellos diz que ele estava “imitando pessoas com falta de ar” na pandemia.

O vídeo corta para a cena antiga em que ele simula falta de ar e critica o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. Sobreposta está a palavra “verdade”.

Outra peça diz que “a verdade tortura a esquerda” e mostra uma entrevista de Bolsonaro ao Ratinho em 2014. Ao som de uma trilha ao estilo velho oeste, o então deputado responde que se candidataria a presidente. Aparece, na sequência, recebendo a faixa presidencial em 2019.

Para Marco Ruediger, diretor da FGV ECMI, a superação da campanha petista em redes de vídeos está dialogando com a mudança da conjuntura de 2018 para 2022. Na eleição deste ano, a economia se impõe como um tema mais urgente diante de questões morais ou religiosas, segundo ele.

“Tanto Lula como Bolsonaro operam no emocional, ambos são carismáticos, mas acho que as pessoas estão cansadas de agressividade o tempo todo”, diz.

Para as campanhas, TikTok e YouTube são importantes para inovar na comunicação política, com possibilidade de imprimir humor, se aproximar de forma mais leve do eleitor e servir de teste a narrativas emplacadas na TV.

“O tempo de TV é importante, mas mais importante é que a estratégia digital gire em torno da TV”, afirma Ruediger. “É a eleição do vídeo.”

No YouTube, os conteúdos mais acessados de Lula são jingles, como um piseiro que canta “faz o L, um coração grandão e desenrola” (7,4 milhões de visualizações) e o clipe da campanha “Dois Lados, que Brasil você quer?”, com alcance de 5,2 milhões. Outro destaque é quando o PT nega que fecharia igrejas evangélicas.

O canal de Bolsonaro no YouTube é menos expressivo do que seus outros perfis –embora a rede seja povoada por sua militância e a participação dele em outros espaços seja positiva, como no Flow Podcast, já visto por mais de 15 milhões.

No último mês, nenhum dos conteúdos autorais ultrapassou 500 mil visualizações. Eles são burocráticos ou reproduções de matérias positivas da TV do Brasil. O espaço é repleto de lives semanais, com uma audiência de, no máximo, 400 mil no período. As mesmas transmissões têm mais alcance no Facebook e no Instagram.

Para Fábio Malini, pesquisador da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), o audiovisual é a centralidade deste pleito por trazer os formatos dos microvídeos e a máquina de edição rápida e barata do TikTok.

“Tem animação, reacts, todo tipo de conteúdo divertido, mas requer, obviamente, uma internet mais acelerada ao usuário. É uma realidade vivida mais por quem vivencia as áreas metropolitanas.”

Para a campanha de Bolsonaro, o TikTok é visto como prioridade, com o objetivo de atingir um público mais jovem. A avaliação é que ainda há espaço para ele crescer no Facebook.

Outro alvo é a plataforma de vídeos Kwai, apontada por eles até como mais interessante que o YouTube. O motivo seria a força do aplicativo no Nordeste.

Os dois têm postado pelo menos um vídeo por dia no Kwai. Lula tem 1,8 milhão de seguidores e Bolsonaro, 2,4 milhões. Como ela é mais nova, ainda há pouco monitoramento e pesquisa sobre a rede.

No Facebook, cortes de vídeos de sua entrevista ao Jornal Nacional estiveram entre os mais populares do mês, como o de tom irônico: “Foi uma enorme satisfação participar do pronunciamento de William Bonner”. A segunda mais popular anunciava a redução no preço da gasolina.

No caso de Lula, repercutiram lives com seus comícios em Minas Gerais e em São Paulo, além da transmissão realizada com o deputado federal André Janones (Avante), seu novo cabo eleitoral e tido como uma das apostas de petistas nas redes sociais.

No Telegram, o canal de Bolsonaro é um repositório de propaganda do governo, bastante diferente das centenas de grupos e canais de apoiadores na plataforma.

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

<h6>Bombando nas redes</h6>Adriano Galdino é um dos nomes para disputar o Governo do Estado com o apoio de João Azevêdo – Por Gutemberg CardosoBombando nas redesLula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 20 de julho de 2024 Adriano Galdino é um dos nomes para disputar o Governo do Estado com o apoio de João Azevêdo - Por Gutemberg Cardoso <h6>Bombando nas redes</h6>DESTAQUES: Romero recebe proposta dos Cunha Lima; Nilvan Ferreira ganha apoio de João Gonçalves; e Kassab, do PSD, quer Eva Gouveia como candidata a prefeitaBombando nas redesLula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 19 de julho de 2024 DESTAQUES: Romero recebe proposta dos Cunha Lima; Nilvan Ferreira ganha apoio de João Gonçalves; e Kassab, do PSD, quer Eva Gouveia como candidata a prefeita <h6>Bombando nas redes</h6>DESTAQUES: Duas datas importantes para o futuro de Romero; Instituto crava que na PB só terá 2º turno em JP; e Efraim denuncia prefeito de Santa Luzia por demolir monumento Bombando nas redesLula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 18 de julho de 2024 DESTAQUES: Duas datas importantes para o futuro de Romero; Instituto crava que na PB só terá 2º turno em JP; e Efraim denuncia prefeito de Santa Luzia por demolir monumento  <h6>Bombando nas redes</h6>DESTAQUES: Direção de um partido destituiu o diretório de um candidato líder nas pesquisas; Pedrito anuncia apoio a Nilvan; e Lula pode pedir a Veneziano para apoiar CartaxoBombando nas redesLula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 17 de julho de 2024 DESTAQUES: Direção de um partido destituiu o diretório de um candidato líder nas pesquisas; Pedrito anuncia apoio a Nilvan; e Lula pode pedir a Veneziano para apoiar Cartaxo <h6>Bombando nas redes</h6>DESTAQUES: Quem deve ser vice de Jackson e Nilvan?; Quais partidos podem compor a chapa de Romero?; e Amanda Rodrigues encontra Márcia, ex-prefeita do CondeBombando nas redesLula avança na ‘eleição do vídeo’ e quebra hegemonia de Bolsonaro no TikTok e no YouTube" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 16 de julho de 2024 DESTAQUES: Quem deve ser vice de Jackson e Nilvan?; Quais partidos podem compor a chapa de Romero?; e Amanda Rodrigues encontra Márcia, ex-prefeita do Conde

Está no Hype

Go to Top