O DIABO ENTRA NA CAMPANHA: Acusações de satanismo e vídeo na maçonaria marcam início do 2º turno: VEJA VÍDEOS

Em um grupo de WhatsApp que reúne pessoas de diferentes opiniões políticas, um usuário compartilha um link para um vídeo mostrando o presidente Jair Bolsonaro (PL) fazendo um discurso no que parece ser uma loja da Maçonaria. “Que absurdo! Eu, como cristão, não voto mais!”, diz ele.

Outra pessoa rebate: “Se quer ver realmente um lado religioso nas campanhas, veja matéria de ontem”. O link que encaminha é de uma “reportagem” sobre um vídeo que acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de ser satanista.

Esse diálogo ilustra a guerra entre campanhas que já dominou as redes nos dois primeiros dias de campanha para o segundo turno.

Eleitores devem escolher entre Bolsonaro e Lula para a Presidência do país no dia 30 de outubro.

Os episódios dessa segunda fase de campanha repetem a fórmula, dessa vez tirando informações de contexto para atacar a imagem de ambos os candidatos.”

O bolsonarismo está investindo há tempos nessa ideia de que existe uma guerra religiosa, em uma tentativa de associar Jair Bolsonaro ao evangélicos e ganhar votos”, disse à BBC News Brasil a professora Rose Marie Santini, fundadora do NetLab, laboratório vinculado à Escola de Comunicação da UFRJ dedicado a estudos de internet e redes sociais.

“Mas agora, após tanta insistência de um dos lados, houve uma resposta dos apoiadores de esquerda.”

O vídeo compartilhado por bolsonaristas foi gravado por um influenciador que se define como satanista e não tem ligação com o ex-presidente nem com suas propostas de governo.

Em frente a uma bandeira com o rosto de Lula, ele diz que apoiadores de Bolsonaro “estão arruinados”. O vídeo foi publicado no TikTok, onde o influenciador tem quase um milhão de seguidores.

O vídeo viralizou quando foi compartilhado em massa por bolsonaristas, ao lado de mensagens como a de que o Brasil estaria correndo um “risco espiritual” caso Lula seja eleito.

Nesta terça (4), o influenciador publicou outro vídeo dizendo que sua fala foi tirada de contexto. “O candidato Lula não tem qualquer ligação com nossa causa espiritual”.

A campanha de Lula reagiu e publicou uma nota desmentindo ligação do candidato com o satanismo.

“Bolsonaristas soltaram um vídeo que tenta ligar Lula e o satanismo. Essa relação não existe. Espalhar isso é abusar da boa-fé das pessoas de fé”, disse, em nota. “Lula é cristão, católico, crismado, casado e frequentador da igreja. Não existe relação entre Lula e o satanismo.”

Mas o vídeo já havia alcançado milhões por meio de páginas bolsonaristas no Instagram.

Mais de 2,2 milhões de pessoas haviam visualizado o conteúdo publicado pelo perfil da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) na tarde de segunda-feira. Sob o vídeo, ela escreveu: “A guerra é espiritual! É o bem contra o mal!”.

E o mesmo conteúdo foi visto 1,1 milhão de vezes na página do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PL-SP).

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e o senador eleito Cleitinho (PSC-MG) também publicaram o vídeo em suas redes.

Reação de apoiadores

Nas redes, apoiadores de Lula buscaram contra-atacar, divulgando um vídeo em que o mesmo influencer aparece criticando, e não apoiando, o candidato do PT.

Mas o maior contra-ataque foi a divulgação do vídeo de Bolsonaro fazendo um discurso em uma loja maçônica.

Sem data, a gravação mostra Bolsonaro se apresentando como deputado federal e dizendo que não estava “candidato a nada”, indicando que é anterior a 2019.

Nas imagens, o atual presidente afirma que o Brasil vive uma ameaça tão grave, ou até mesmo maior, do que a corrupção, a questão “ideológica”.

O vídeo foi compartilhado por diversos perfis em redes sociais como Twitter, Facebook, Instagram, TikTok e Kwai.

Um dos posts, compartilhado por uma página que se descreve como de notícias sobre o mundo pop, tem mais de 8,5 milhões de visualizações e 170.000 curtidas.

A mesma página também repostou algumas notícias antigas sobre aliados de Bolsonaro e a maçonaria. Uma das mensagens fala sobre a deputada Carla Zambelli, que se casou em 2020 em uma cerimônia maçônica, e outra sobre o vice-presidente general Hamilton Mourão, maçom há mais de duas décadas.

Em 2018, Mourão incluiu em sua campanha como vice de Bolsonaro visitas a templos dessa fraternidade de homens

No Facebook, o deputado federal e ex-candidato à Presidência da República André Janones publicou um texto em que faz referência ao vídeo de Bolsonaro na Maçonaria.

“Urgente: satanistas ateus da Maçonaria pedem que Bolsonaro seja eleito para representá-los!”, diz a mensagem, que já tem 3.400 compartilhamentos.

No TikTok, a hashtag sobre o assunto já tem mais de 5.000 visualizações. Já no no Twitter, tinha pelo menos 1.000 menções até o início da tarde. Os Vídeos que circulam nas redes são esses:

Em sua págino no Tik tok, o Satanista se pronunciou negando todas as fake news de que o Ex presidente Lula seria membro da sua seita, e negando veementemente toda a campanha sórdida querendo associar sua imagem à de Lula com fins eleitoreiros. No vídeo Vick diz também não apoiar o presidente Bolsonaro e chama os líderes evangélicos de fariseus, Assista:

A campanha de Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre as postagens. A reportagem procurou a Presidência, mas até o momento da publicação ainda não tinha obtido resposta.

Em resposta ao questionamento da BBC News Brasil sobre o tema, o pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo e aliado de Bolsonaro, disse que não vê problemas no presidente visitar uma loja de maçonaria. “Ele é presidente de todos, qual o problema?”, afirmou.

“Pelo que temos analisado, esse movimento está sendo ruim para a campanha de Bolsonaro, pois a associação dele à Maçonaria está pegando mais do que a de Lula ao satanismo”, avalia Marie Santini, com base nos monitoramentos realizados pelo NetLab.

Muitos grupos religiosos, como parte dos evangélicos, comparam a maçonaria a uma seita. O Vaticano já afirmou que os princípios maçônicos são incompatíveis com a doutrina da Igreja Católica.

Em seu site, porém, a Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil afirma que a maçonaria não é “uma seita ou religião”.

“Ela também não se enquadra como uma sociedade secreta, visto que nossas organizações têm estatutos registrados em cartório, sites oficiais, endereços com fachadas etc.”

A polêmica pode afetar eleitores que irão decidir no dia 30 de outubro o novo governante do Brasil,  já que o fator religioso tende a ser crucial para o resultado.

Outros encontros com a maçonaria

Em 15 de setembro de 2022, já em campanha eleitoral à reeleição para presidente, Jair Bolsonaro participou do 2º Encontro de Lideranças Empresariais Maçônicas em São Paulo. Não foram divulgadas muitas informações sobre o evento.

Outro caso que envolve figuras bolsonaristas à maçonaria é a Abertura da 48ª Assembleia Geral Ordinária da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB), na qual compareceram Flávio Bolsonaro e General Hamilton Mourão. Acesse aqui para se informar: https://www.gob.org.br/grande-oriente-do-brasil-se-faz-presente-na-48a-assembleia-geral-ordinaria-da-cmsb/

A imagem do presidente Bolsonaro na Loja maçônica viralizou sob a denúncia de associar a Maçonaria ao satanismo, veja abaixo a foto original e a montagem:

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

DESTAQUES: TRF-5 julgou o caso Cícero Lucena; Bruno Cunha Lima conseguiu vitória na Justiça; e operação ‘’Fundo do Poço’’ mira o antigo PROS, hoje Solidariedade 12 de junho de 2024 DESTAQUES: TRF-5 julgou o caso Cícero Lucena; Bruno Cunha Lima conseguiu vitória na Justiça; e operação ‘’Fundo do Poço’’ mira o antigo PROS, hoje Solidariedade DESTAQUES: Vereadores de JP estão envolvidos na Operação Mandare; Operação livro aberto chegou nos deputados; e Republicanos não deve aceitar “meia secretaria de educação’’ 11 de junho de 2024 DESTAQUES: Vereadores de JP estão envolvidos na Operação Mandare; Operação livro aberto chegou nos deputados; e Republicanos não deve aceitar "meia secretaria de educação’’ DESTAQUES: Quais nomes podem assumir as secretarias do Governo; Cartaxo deve ser o candidato do PT em JP; e Renata Nóbrega pode voltar para Secretaria de Saúde 10 de junho de 2024 DESTAQUES: Quais nomes podem assumir as secretarias do Governo; Cartaxo deve ser o candidato do PT em JP; e Renata Nóbrega pode voltar para Secretaria de Saúde DESTAQUES: Em 2026, a ALPB vai eleger um governador de forma indireta; Nominando vai ser o prefeito de JP por oito dias; e CMJP tem uma oposição definida e um novo líder 7 de junho de 2024 DESTAQUES: Em 2026, a ALPB vai eleger um governador de forma indireta; Nominando vai ser o prefeito de JP por oito dias; e CMJP tem uma oposição definida e um novo líder DESTAQUES: Quais nomes devem assumir as secretarias do governo; Republicanos vai exigir a vaga de vice de Jhony em CG; e Antônio Roberto revela qual seu destino 6 de junho de 2024 DESTAQUES: Quais nomes devem assumir as secretarias do governo; Republicanos vai exigir a vaga de vice de Jhony em CG; e Antônio Roberto revela qual seu destino

Está no Hype

Go to Top