Apuração paralela
Forças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE

Tribunal informa que não há acordo para permitir acesso diferenciado aos dados da votação aos militares

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) informou nesta 2ª feira (12.set.2022) que as Forças Armadas não vão receber “acesso diferenciado” aos dados da eleição de 2022. Em nota, o tribunal negou que os militares ou qualquer outra entidade fiscalizadora farão uma apuração paralela.

A nota é divulgada depois de notícias de que haveria um acordo entre as Forças Armadas e o TSE para que os militares fiscalizassem as urnas durante o pleito. Segundo a Folha de S.Paulo, o Comando de Defesa Cibernética do Exército receberia fotos do QR Code dos boletins de 385 urnas e faria um trabalho independente de contagem de votos.

Em junho, o Tribunal já havia informado que a contagem simultânea dos votos já é realizada nas eleições.

Os boletins de urnas (conhecidos como BUs) são documentos impressos em cada uma das urnas quando a votação é encerrada. Cada BU tem o número total de votos de cada urna, o resultado (votação para cada candidato a todos os cargos) e a contabilização de brancos, nulos e abstenções naquele equipamento.

Esses BUs existem desde sempre. É que cada urna eletrônica tem uma pequena impressora interna. O mesário ao final da votação imprime o BU e deve deixá-lo exposto no local, com acesso para quem tiver interesse em olhar e ler os dados. A rigor, é perfeitamente possível que qualquer eleitor fotografe esse BU para depois comparar com o resultado que é divulgado para aquela urna específica no sistema centralizado do TSE.

Neste ano, segundo o TSE, todos os boletins serão divulgados também na internet após o encerramento da votação para “acesso amplo e irrestrito de todas as entidades fiscalizadoras e do público em geral”.

Eis a íntegra da nota divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral nesta 2ª feira (12.set.2022) às 9h55:

“O Tribunal Superior Eleitoral informa, em relação à apuração das eleições 2022, que não houve nenhuma alteração do que definido no primeiro semestre, nem qualquer acordo com as Forças Armadas ou entidades fiscalizadoras para permitir acesso diferenciado em tempo real aos dados enviados para a totalização do pleito eleitoral pelos TREs, cuja realização é competência constitucional da Justiça Eleitoral.

“O TSE reitera informação amplamente divulgada em junho passado sobre a contagem de votos, a partir da somatória dos BUs, ser possível há várias eleições e que para o pleito deste ano, foi implementada a novidade de publicação dos boletins de urnas pela rede mundial de computadores, após o encerramento da votação para acesso amplo e irrestrito de todas as entidades fiscalizadoras e do público em geral.

“Independentemente dessa possibilidade, como ocorre há diversas eleições, qualquer interessado poderá ir às seções eleitorais e somar livremente os BUs de uma, de dez, de trezentas ou de todas as urnas.”

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

<h6>Apuração paralela</h6>DESTAQUES: A imprensa é culpada no caso do Pastor Sérgio e na possível demissão do secretário do governo?; Em Guarabira, Léa vai enfrentar Raniery; na cidade de Patos, executivos e secretários tem aumento de 70% Apuração paralelaForças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 19 de abril de 2024 DESTAQUES: A imprensa é culpada no caso do Pastor Sérgio e na possível demissão do secretário do governo?; Em Guarabira, Léa vai enfrentar Raniery; na cidade de Patos, executivos e secretários tem aumento de 70%  <h6>Apuração paralela</h6>DESTAQUES: O sonho de Lula é eleger João Azevêdo e Poliana Dutra em 2026; candidatura de Romero vira aposta em CG; e Wilson Santiago aparenta estar omisso na briga para mudar o secretário de educaçãoApuração paralelaForças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 18 de abril de 2024 DESTAQUES: O sonho de Lula é eleger João Azevêdo e Poliana Dutra em 2026; candidatura de Romero vira aposta em CG; e Wilson Santiago aparenta estar omisso na briga para mudar o secretário de educação <h6>Apuração paralela</h6>DESTAQUES: Galdino diz que Republicanos vai indicar o vice de Romero em CG; Aguinaldo foi escolhido líder da maioria no congresso; e Júnior Araújo não pensa em formar um g8 ou g11 na ALPBApuração paralelaForças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 17 de abril de 2024 DESTAQUES: Galdino diz que Republicanos vai indicar o vice de Romero em CG; Aguinaldo foi escolhido líder da maioria no congresso; e Júnior Araújo não pensa em formar um g8 ou g11 na ALPB <h6>Apuração paralela</h6>DESTAQUES: Daniella Ribeiro será senadora em 2026; presidente do Sousa deve ser o vice do prefeito Tyrone; e Domiciano Cabral foi relapso e abandonou a defesa de Sara CabralApuração paralelaForças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 16 de abril de 2024 DESTAQUES: Daniella Ribeiro será senadora em 2026; presidente do Sousa deve ser o vice do prefeito Tyrone; e Domiciano Cabral foi relapso e abandonou a defesa de Sara Cabral <h6>Apuração paralela</h6>DESTAQUES: Bolsonaro dá esporro em Queiroga e Sérgio Queiroz; PL decidiu que não vai apoiar filho de Wellington Roberto em CG; e Sara Cabral não pode concorrer em BayeuxApuração paralelaForças Armadas não farão apuração paralela das eleições, diz TSE" class="rev-slidebg tp-rs-img" data-no-retina> 12 de abril de 2024 DESTAQUES: Bolsonaro dá esporro em Queiroga e Sérgio Queiroz; PL decidiu que não vai apoiar filho de Wellington Roberto em CG; e Sara Cabral não pode concorrer em Bayeux

Está no Hype

Go to Top