Lula revoga decreto de Mourão que tira R$ 5,8 bi de receita do governo

Presidente em exercício na última sexta-feira (30/12), Hamilton Mourão havia cortado à metade as alíquotas de Pis e Cofins sobre as receitas financeiras de grandes empresas

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), revogou neste domingo (1º/12) decreto assinado pelo ex-vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos), que cortava as alíquotas de tributos pagos por grandes empresas. A medida poderia impactar o governo petista em, pelo menos, R$ 5,8 bilhões nas receitas no primeiro ano da nova gestão.

O ministro da Fazenda Fernando Haddad já esperava pela revogação. Antes mesmo da posse de Lula, no último domingo (1º/1), Haddad já havia manifestado preocupação com os cortes do governo anterior. Em meio ao aumento de despesas autorizado pelo Congresso Nacional, as medidas de Jair Bolsonaro podiam diminuir a arrecadação do novo governo e deixar um rombo de R$ 220 bilhões, previsto no Orçamento de 2023.

Mourão assinou o decreto que reduz a tributação das maiores empresas do país no último dia útil do governo de Jair Bolsonaro (PL), enquanto exercia o cargo de presidente por conta da viagem de Bolsonaro aos EUA. A medida reduz em 50% – de 4,65% para 2,33% – a contribuição ao PIS/Cofins sobre as receitas financeiras das empresas que adotam a tributação do lucro real, justamente as maiores do país.

É praxe, durante os períodos de transição, o governo que sai consultar o que chega sobre medidas com impacto fiscal dessa magnitude. O que não aconteceu neste caso. “É curioso saber por que se esperou o último dia do ano para tomar essa decisão e, se por acaso, isso foi combinado com o governo a ser empossado”, disse o economista José Roberto Afonso, professor do Instituto de Desenvolvimento e Pesquisa (IDP) e pesquisador da Universidade de Lisboa ao Estadão.

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

DESTAQUES: TRF-5 julgou o caso Cícero Lucena; Bruno Cunha Lima conseguiu vitória na Justiça; e operação ‘’Fundo do Poço’’ mira o antigo PROS, hoje Solidariedade 12 de junho de 2024 DESTAQUES: TRF-5 julgou o caso Cícero Lucena; Bruno Cunha Lima conseguiu vitória na Justiça; e operação ‘’Fundo do Poço’’ mira o antigo PROS, hoje Solidariedade DESTAQUES: Vereadores de JP estão envolvidos na Operação Mandare; Operação livro aberto chegou nos deputados; e Republicanos não deve aceitar “meia secretaria de educação’’ 11 de junho de 2024 DESTAQUES: Vereadores de JP estão envolvidos na Operação Mandare; Operação livro aberto chegou nos deputados; e Republicanos não deve aceitar "meia secretaria de educação’’ DESTAQUES: Quais nomes podem assumir as secretarias do Governo; Cartaxo deve ser o candidato do PT em JP; e Renata Nóbrega pode voltar para Secretaria de Saúde 10 de junho de 2024 DESTAQUES: Quais nomes podem assumir as secretarias do Governo; Cartaxo deve ser o candidato do PT em JP; e Renata Nóbrega pode voltar para Secretaria de Saúde DESTAQUES: Em 2026, a ALPB vai eleger um governador de forma indireta; Nominando vai ser o prefeito de JP por oito dias; e CMJP tem uma oposição definida e um novo líder 7 de junho de 2024 DESTAQUES: Em 2026, a ALPB vai eleger um governador de forma indireta; Nominando vai ser o prefeito de JP por oito dias; e CMJP tem uma oposição definida e um novo líder DESTAQUES: Quais nomes devem assumir as secretarias do governo; Republicanos vai exigir a vaga de vice de Jhony em CG; e Antônio Roberto revela qual seu destino 6 de junho de 2024 DESTAQUES: Quais nomes devem assumir as secretarias do governo; Republicanos vai exigir a vaga de vice de Jhony em CG; e Antônio Roberto revela qual seu destino

Está no Hype

Go to Top