POR QUE TANTA PRESSA: Os 50 dias e a pressa estratégica de Lula – Por  Helena Chagas

Os 50 dias e a pressa estratégica de Lula

Lula – Foto Reprodução

 

 

Nicolau Maquiavel

Às favas com Nicolau Maquiavel, aquele que há 500 anos vem aconselhando os príncipes a fazer de uma só vez o mal — mas deixar o bem para fazer aos poucos. Lula tem pressa. Difere  também da média dos governantes contemporâneos, inclusive de suas versões anteriores, por não começar a governar sob o clichê de, primeiro, “arrumar casa” — eufemismo para arrocho nas contas — para depois distribuir benefícios à população. Nessa ordem de prioridade, quando tudo funciona, o “mal” é esquecido e o “bem” chega perto da próxima eleição — ou reeleição.

Lula 3.0 faz tudo diferente. Chega aos 50 dias de governo invertendo a lógica maquiaveliana e a prática generalizada. Somente na semana passada, relançou o maior programa de habitação que o país já teve, o Minha Casa Minha Vida; anunciou o  aumento do salário mínimo (R$ 1.320); autorizou reajuste da faixa de isenção do IR para quem ganha até R$ 2.640; e informou que vai apresentar o novo Bolsa Família, com condicionalidades,  focado em quem precisa e cadastro limpo de irregularidades.

Fotos Redes Sociais

Nas semanas anteriores, ao mesmo tempo em que lidava com os desdobramentos do 8 de janeiro e a subsequente crise militar, deflagrou a operação de salvamento Yanomami, editou dezenas de medidas limitando o uso desenfreado de armas, abriu  sigilos do governo anterior e fulminou políticas obscurantistas. Deflagrou ações de vacinação, meio ambiente, combate ao preconceito e  participação da sociedade em fóruns governamentais. Não é pouco — e, por falta de espaço, não se fala da agenda internacional.

Por que tanta pressa, indagam alguns, inclusive apontando somatórios de gastos. Mas o ativismo de Lula não parece ser apenas jogada política para aprofundar o contraste com seu antecessor — que só pensou em programas sociais, por exemplo, às vésperas de tentar a reeleição. E nem, como acusam outros, fruto de impulsos demagógicos de quem acaba de recuperar o poder e não tem plano econômico. É estratégia de caso pensado que segue a urgência da sobrevivência política.

Manifestantes invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto – Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

A pior tentativa de golpe desde a redemocratização confirmou o diagnóstico de que temos um país cindido, que elegeu o presidente por pequena diferença, e que continua refém da manipulação desinformativa do bolsonarismo das redes. Para governar com tranquilidade, Lula não só precisa manter, mas tem, principalmente, que ampliar rapidamente sua base social. Os cargos e emendas a políticos que estão construindo uma maioria congressual não são, a médio prazo, suficientes para lhe garantir essa sobrevivência, pois ela tem que vir da sociedade.

É por aí que a estratégia de Lula vai além de agradar quem votou nele e consolidar sua base popular. Velho de guerra, farejou que é preciso mais — e que esse apoio hoje não passa apenas, ou  necessariamente, pela “frente ampla” centrista com a qual se elegeu. Passa por setores de baixa e média renda que votaram em Bolsonaro — mas que repudiam o golpismo do 8 de janeiro.

Bolsa família – Foto Divulgação / Governo Federal

Com medidas como aumento do mínimo, reestruturação do Bolsa Família e as obras do MCMV , o presidente quer botar a roda da economia para girar e beneficiar  também as classes média-média e média baixa. Um rol que inclui, por exemplo, os evangélicos. Esse pode não ser exatamente o público do BF, mas é aquele que está endividado e vai ser atendido pelo Desenrola, o programa de renegociação de dívidas — e aí o discurso dos juros altos cai como uma luva. É também um segmento que pode ganhar emprego nas obras ou se encaixar nas faixas 2 e 3 do novo MCMV, que vai dar juro subsidiado para famílias que ganham até R$ 8 mil comprarem a casa própria.

Nos quebra-cabeças dos planos de Lula, que ele não revela inteiramente para quase ninguém, as peças do ativismo social e do discurso de esquerda conta o Banco Central e os juros nem sempre se encaixam umas com as outras. Mas, segundo aliados,  a leitura do que é prioritário nesse momento — ampliar sua base social — ajuda a iluminar movimento aparentemente desconexos que, lá na frente, podem dar mais sentido ao quadro. Um presidente popular, por exemplo, tem mais força no Congresso. Paradoxalmente, também, depois de atender aos mais necessitados, ficará à vontade para concessões ao outro lado do balcão, na reforma tributária e no debate da nova âncora fiscal.

Mais Lidas

Destaques

PELO SIM, PELO NÃO

DESTAQUES: Camilo Santana esteve na Paraíba e ninguém soube; Cássio pode ser candidato em CG?; e nomes dos vices estão em alta em Bayeux 20 de maio de 2024 DESTAQUES: Camilo Santana esteve na Paraíba e ninguém soube; Cássio pode ser candidato em CG?; e nomes dos vices estão em alta em Bayeux DESTAQUES: Rusga entre Assembleia e o Governo do Estado; PT tem decisão importante na segunda-feira; e Inácio cansou de esperar por Romero em CG 17 de maio de 2024 DESTAQUES: Rusga entre Assembleia e o Governo do Estado; PT tem decisão importante na segunda-feira; e Inácio cansou de esperar por Romero em CG DESTAQUES: Na reunião do PT, 90% defenderam candidatura própria; e representante da prefeitura acusa membro do governo no caso da poluição das praias 16 de maio de 2024 DESTAQUES: Na reunião do PT, 90% defenderam candidatura própria; e representante da prefeitura acusa membro do governo no caso da poluição das praias DESTAQUES: O candidato de João Azevêdo ao governo pode ser Hugo Motta; advogado João de Deus se filiou ao PSB em Cajazeiras; e Wilson Santiago voltou a titularidade na câmara dos deputados 9 de maio de 2024 DESTAQUES: O candidato de João Azevêdo ao governo pode ser Hugo Motta; advogado João de Deus se filiou ao PSB em Cajazeiras; e Wilson Santiago voltou a titularidade na câmara dos deputados DESTAQUES: Lula teria decidido por candidatura própria em João Pessoa e o escolhido foi Cartaxo; Romero não tem responsabilidade com Campina Grande?; e ALPB ‘desobriga’ presença de secretários de Educação 8 de maio de 2024 DESTAQUES: Lula teria decidido por candidatura própria em João Pessoa e o escolhido foi Cartaxo; Romero não tem responsabilidade com Campina Grande?; e ALPB ‘desobriga’ presença de secretários de Educação

Está no Hype

Go to Top